O corpo nu, a fotografia, e a superação de conflitos

Veja o vídeo mas não deixe de ver a matéria na íntegra!

Uma excelente reflexão acerca do corpo nu e no que a fotografia pode contribuir para o bem estar de uma pessoa. Ao passo em que temos “profissionais” duvidosos e que demonstram claramente o seu desejo voyeurista e deixam a(o) modelo constrangido(a) e faz perder todas as possibilidades de um belo trabalho, há também pessoas que realmente estão interessadas em questões maiores, não só profissionais da fotografia, mas artistas de modo geral e até outros tipos de profissionais.

Este, para mim, é um belo exemplo. Vale a pena a leitura. Ela acrescenta ao seu hall de possibilidades. Veja a matéria na íntegra clicando aqui ou na foto.

Curtam e compartilhem se possível! 🙂

Gracie Hagen e seu trabalho “Ilusões do corpo” (Illusions of the body)

jay_elle_s01_website_image_pddp_wqxgaNo trabalho feito pelo fotógrafo Gracie Hagen, chamado Ilusões do corpo (Illusions of the body), ele aborda a plasticidade do corpo humano de uma forma bem controversa e interessante, pois não muda o esquema de iluminação, não muda o cenário, e muda apenas a pose (por assim dizer) em que os modelos se encontram.

Exatamente as mesmas pessoas, nos mesmos locais, com a mesma luz e mesmo fotógrafo (ah, e mesmo equipamento) e como resultado fotos completamente distintas de vários pontos de vista.

Vale a pena conferir o trabalho no link abaixo! E se não for pedir muito, curta e compartilhe com seus amigos para que eles também possam ver o trabalho fantástico desse fotógrafo. Até mais gente!

http://www.graciehagen.com/gallery/illusions_of_the_body/

Gracie Hagen – Ilusões do corpo

gracie hagen

Quando dizemos que a fotografia é simples e ao mesmo tempo muito complexa é exatamente sobre esse tipo de coisa que este post fala.

Eu mesmo em minhas aulas não canso de afirmar: Fotografia são apenas 4 coisas: Velocidade, Abertura, ISO e luz. Não existe nada além disso. Porém, ao mesmo tempo, fotografia é tudo, é todo o resto que interfere na composição de uma imagem, ou seja, não há limitação de conhecimento para se fazer uma foto. Você pode estudar fotografia a vida toda que não saberá, no fim, de tudo que poderia ter feito com a fotografia. Não pela técnica em si, a parte da fotografia prática, que se resume naqueles 4 pilares mesmo. Mas a fotografia arte, a arte de fotografar.

Física, química, matemática, línguas, engenharia, mecânica, biologia, biblioteconomia, psicologia, medicina, administração, direito, filosofia, história, geografia, aeronáutica, educação física, artes cênicas, etc, etc, etc… todas as áreas do conhecimento são poucas para definir um fim para a fotografia. É uma estrada onde não se sabe onde vai chegar e nem é este o objetivo desta caminhada, mas sim a própria caminhada.

Neste trabalho de Gracie Hagen ele explora a questão corporal e suas ilusões de aparência, sentimentos e comportamentos. Ilusões sim, porque se trata exatamente do mesmo corpo. Isso nos remete a vários questionamentos existenciais e filosóficos como quem realmente somos nós? Se nosso corpo diz muito a nosso respeito? Se nossa postura é a grande responsável pelas ilusões criadas na cabeça das pessoas a nosso respeito? Bom, é muita coisa a se pensar. E fazer uma visita ao trabalho deste artista é no mínimo uma proveitosa viagem de exploração. Quando mais se aprofundar, melhor será a viagem.

Curtam e compartilhem para que mais pessoas possam fazer esta viagem também! 🙂

 

gracie hagen | illusions of the body.